Dez anos. Quem diria?

2 02 2011

Turma A de 2001, da ETELG - Procurados! Vivos ou mortos.

Me lembro perfeitamente do dia 31 de janeiro de 2001. Não teria nenhum motivo para esquecê-lo, afinal foi uma das datas mais aguardadas naquela época. Seria o primeiro dia de aula lá na ETE, escola a qual prestei um vestibulinho no final do ano anterior e vivi toda aquela apreensão em ter que esperar pela lista de aprovados um mês depois e entrar numa escola pública, porém, com uma qualidade (ou exigência) superior as outras escolas públicas.

Eram 320 vagas e consegui me posicionar na 321ª colocação. Sim, o primeiro da 2ª chamada, costumava brincar. Um alívio saber que estava dentro, mas a ansiedade continuava, porquê mal sabia o que me esperava. E o tal do primeiro dia de aula chegou.

Ouvindo alguns comentários, fiquei sabendo da prática do trote. Cagão que era, bolava mil planos na minha mente pra escapar ileso deles (é, acabou dando certo). Como um peixe fora d’água, sem saber direito o que tava acontecendo, assisti somente uma pegadinha armada por um grupo teatral de alunos da escola, simulando um trote geral em todos aqueles ‘bixos’. Em suma, saí de lá do mesmo jeito que entrei.

Conhecer alguém mesmo só a partir do segundo dia, se eu não estiver enganado. Você vai conversando com um, conversando com outro e a parada funciona meio que um BBB: as “panelas” vão se formando de acordo com a afinidade criada. Lembrando que afinidade não é sinônimo de amizade, que só com o tempo, com as ajudas nas colas das provas e com o companheirismo do dia-a-dia ali foi criada.

Foram três anos ao lado de muita gente boa. Alguns que mantenho contato até hoje, outros que gostaria de reencontrar. Um amigo meu, que estudou comigo lá, sempre falou, após nos formarmos: “poderíamos ter feito muito mais coisas”. Concordo plenamente. Olhando pra trás, percebo que realmente algumas coisinhas poderiam ter sido diferentes. Vai ver faltou a malícia e a experiência que temos hoje, dez anos depois. Porém, não me arrependo do que fiz. Mesmo achando que não fiz tudo, ainda coleciono histórias pra contar daquela época (puta papo de velho, né?).

Mas é assim mesmo, a cada ano que passa, as saudades daquele tempo e daquele lugar aumentam. Principalmente, pelo grande motivo disso tudo: as pessoas que construíram a minha história e a delas também. Estamos ficando mais velhos e com mais responsabilidades. Não era essa pressão toda, lá em 2001. E a gente ainda reclamava.

Enfim, termino esse texto, que mostra um sentimento tão comum daqueles que sentem saudades dos tempos da escola. Só que eu não poderia deixar passar em branco este marco tão importante, pelo menos pra mim.

Dez anos, meus caros. E parece que foi ontem…





Alborghetti e Inri Cristo

2 01 2011

O vídeo a seguir foi postado pelo usuário leoconde, em junho de 2010, e provavelmente, deve ser do início dos anos 90, no programa ‘Cadeia’, da extinta Rede OM. O mesmo foi publicado em um dos tópicos do fórum da excelente comunidade Anti-Video Show!, no Orkut.

O mestre Luiz Carlos Alborghetti diz tudo (e mais um pouco) o que acha sobre Inri Cristo, que outrora, era conhecido como Iuri de Nostradamus (não sabia dessa).

Sensacional!





Num Tiro Só (03) – A rapidinha do dia

10 09 2009

Hoje é num tiro só mesmo.

Lembram do grupo de axé, dos anos 90, Companhia do Pagode?

Pelo nome talvez não vocês não se lembrem, mas já ouviram os sucessos ‘Na Boquinha da Garrafa’ e ‘Dança do Strip-Tease’?

Pois é, primeiro vejam os bastidores do treino do Chile, para o jogo de ontem contra o Brasil.

Depois atentem ao final da matéria e vejam onde foi parar o vocalista deste pitoresco grupo.

O que tem a ver uma coisa com a outra?

Assistam a reportagem do SporTV, ripada e colocada no YouTube pelo usuário muitoalemjn.

Pois é amigos, o Companhia continua “comendo no centro”.





NOSTALGIA PURA (01)

23 08 2009

Inaugurando a seção ‘Nostalgia Pura’, temos esta chamada de estreia dos Simpsons, na Globo, em 1991.

Depois de quase 20 anos, passando pela própria Globo e também (por um certo tempo) pelo SBT, eles continuam fazendo sucesso.

Pena que na Globo, eles cortam umas das principais características: a abertura.

Ainda bem que existe a Fox.

Vida longa ao Homer, Marge, Lisa, Bart e Maggie!





O drible da vaca de Ayrton Senna

23 08 2009

Inspirado na belissíma vitória de Rubens Barrichello, hoje, no GP da Europa (nas ruas de Valência, Espanha), posto esse vídeo que retrata uma imagem marcante do GP do Brasil de 1993, vencido pelo maior de todos os tempos: Ayrton Senna.

Em uma prova conturbada, onde as Willians de Alain Prost e Damon Hill eram mais potentes e velozes do que a McLaren de Senna, veio a chuva.

E quando chove, vocês já sabem o que acontece.

A ultrapassagem de Senna em Hill lembra o famoso drible da vaca (ou meia-lua), onde o jogador toca a bola de um lado e passa por outro.

A partir desse momento, Senna passou a liderar o GP e conquistou sua segunda vitória, em solo brasileiro. Sofrida, como a primeira, em 1991.

Quem teve o privilégio de estar em Interlagos, neste dia, jamais se esquecerá.

Eu, que assisitia pela TV, também não consigo esquecer.